A invasão da Rússia à Ucrâniajá dura dois meses e as tensões do maior país em extensão territorial do mundocom o Ocidente escalam cada dia mais. Diante do cenário, o chefe da diplomacia de Moscou, Serguei Lavrov, alertou para o “perigo real” do conflito entre vizinhos virar a Terceira Guerra Mundial.

O chanceler russo deu a declaração no dia em que o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, e o presidente russo, Vladimir Putin, se encontraram. Foi também quando dois ministros dos Estados Unidos visitaram Kiev, a capital ucraniana.

Leia mais:

“O perigo é sério, é real, não podemos subestimá-lo”, disse Lavrov, sobre uma possível Terceira Guerra Mundial. Apesar do alerta, o chefe da diplomacia da Rússia destacou que vai continuar nas negociações de paz com a Ucrânia. Ele, porém, acusou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, de “fingir” para discutir com o vizinho.

publicidade

“É um bom ator. Se olhar com atenção e ler atentamente o que ele diz, encontrará mil contradições. Mas, continuamos a conduzir negociações com a equipe ucraniana, e esses contatos prosseguirão”, completou Serguei Lavrov. O exército russo diz ter atingido cerca de 100 alvos na Ucrânia, para impedir o fornecimento de armas.

russia x ucrânia
O presidente russo, Vladimir Putin, autorizou operação militar na Ucrânia no dia 24 de fevereiro. Imagem: Twitter

Zelenskiy se encontrou com os secretários norte-americanos Lloyd Austin, da Defesa, e Antony Blinken, de Estado. Foi a primeira visita de pessoas do governo dos EUA desde o início da guerra entre Rússia e Ucrânia. Para Austin, os ucranianos podem vencer o conflito se tiver equipamentos e apoio.

Os EUA aprovaram US$ 713 milhões em financiamento militar estrangeiro para o país invadido, além de 15 outros países aliados. Do total, Kiev vai receber US$ 322 milhões em financiamento militar e US$ 165 milhões em munições. O resto será distribuído pelos países-membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e nações que deram apoio militar à Ucrânia.

Via:Agência Brasil

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!