Psiquiatras estão autorizados a prescrever o ecstasy e a psilocibina, psicoativo presente em cogumelos alucinógenos, para o tratamento de transtornos de estresse pós-traumático e depressão resistente a tratamentos convencionais na Austrália. A decisão entrou em vigor neste sábado (1º).

Leia mais

A TGA, agência australiana dos produtos terapêuticos, que é responsável pelo controle de drogas no país, já havia autorizado o uso clínico dessas substâncias em fevereiro deste ano. O país se tornou um dos primeiros em todo o mundo a autorizar o uso de fungos alucinógenos no tratamento de doenças.

“A decisão reconhece a atual falta de opções para pacientes com doenças mentais específicas resistentes ao tratamento. Isso significa que a psilocibina e o MDMA podem ser usados ​​terapeuticamente em um ambiente médico controlado. No entanto, os pacientes podem ser vulneráveis ​​durante a psicoterapia assistida por psicodélicos, exigindo controles para protegê-los”, afirmou a agência.

publicidade

Apenas psiquiatras autorizados pela TGA poderão prescrever as substâncias.

Canadá e EUA já permitem o uso de ecstasy e alucinogénicos

  • O Canadá e alguns estados americanos, como o Oregon e o Colorado, autorizaram o uso médico de psilocibina e/ou de MDMA, mas apenas no quadro de ensaios clínicos ou autorizações especiais.
  • Em 2018, a agência reguladora dos Estados Unidos, Food and Drug Administration (FDA), chamou o tratamento com a psilocibina de “terapia avançada”, um rótulo que incentiva o avanço do desenvolvimento de medicamentos que podem tratar condições sérias. No entanto, a Associação Psiquiátrica Americana ainda não aprovou a utilização de psicodélicos em tratamentos.
  • Especialistas americanos e australianos afirmam que mais testes e pesquisas são necessários para comprovar a eficácia desses compostos e seus riscos.
  • “Há preocupações de que a evidência ainda é inadequada e que seguir para serviço clínico é um movimento prematuro; que clínicos incompetentes ou com pouca estrutura podem inundar o espaço; que o tratamento vai ser inacessível para a maioria; que a supervisão formal de treinamentos, tratamentos e resultados de pacientes será mínima ou mal comunicada”, afirmou o dr. Paul Linknaitzky, chefe do Laboratório Clínico Psicodélico da Universidade Monash, na Austrália, em entrevista à Associated Press.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do this.$slots vue 3? Inscreva-se no canal!