A intensificação do compartilhamento de imagens violentas e traumáticas nas redes sociais e nas coberturas jornalísticas pode gerar impactos negativos no público, incluindo ansiedade e depressão. Isso é o que defende especialistas, já que a própria dinâmica online propicia a reprodução desses conteúdos sem regulação prévia, podendo gerar uma dessensibilização na audiência.

Leia mais:

Imagens de violência online

A divulgação de imagens ligadas a conflitos, como a guerra na Ucrânia e o conflito entre Hamas e Israel, é exacerbada pelas redes sociais, já que todos os usuários podem compartilhar conteúdos por conta própria. Isso também amplifica o alcance dos conteúdos.

A própria dinâmica de funcionamento das redes sociais causa esse fenômeno e normaliza a violência online. Como resposta, as coberturas jornalísticas criam seus próprios padrões éticos para a exposição ou não de imagens perturbadoras e sensíveis.

publicidade

No entanto, especialistas defendem que a falta de regulação no compartilhamento dessas mídias pode gerar impactos negativos ao receptor. Luciano Bregalanti Gomes, pesquisador do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), explicou ao Jornal da USP que a exposição pode gerar traumas para pessoas que não estão preparadas psicologicamente para recebê-las.

Celular com logomarca do X, antigo Twitter, em cima de teclado de notebook
O X/Twitter é uma das redes sociais permitindo a veiculação de imagens violentas online (Imagem: sdx15/Shutterstock)

Regulamentação

  • Para Daniela Osvald Ramos, professora da Escola de Comunicações e Artes da USP, a divulgação de imagens violentas não é de agora.
  • O caso da captura de Saddam Hussein, em 2003, e de sua execução, em 2006, também foi amplamente veiculada, mas as redes sociais amplificam esse fenômeno.
  • Ela esclarece que, na área das coberturas jornalísticas, a veiculação dessas imagens depende da diretriz de cada jornal, mas a falta de padronização pode tornar o problema complexo.
  • Isso porque as redes sociais seguem a lógica dos algoritmos, em que dependem dos engajamentos dos usuários. Assim, quanto mais essas imagens se espalham, mais tendem a se reforçar e serem valorizadas.
  • No final, a sociedade passa a legitimar esse tipo de conteúdo, banalizando a violência, principalmente contra minorias.

Impactos psicológicos

Segundo Gomes, para além da dessensibilização, quando um indivíduo normaliza aquilo que vê e pouco se impacta com a violência, a exposição a esse tipo de conteúdo pode gerar impactos como ansiedade, depressão, pesadelos, falta de concentração e insônia.

Outros efeitos passam pela ordem comportamental, como o aumento de demonstrações agressivas. O psicólogo ainda destaca que isso é ainda mais perigoso para crianças, já que elas estão em fase de desenvolvimento de habilidades cognitivas e emocionais.