Os avanços na tecnologia automotiva têm transformado significativamente a segurança dos veículos, e o airbag é uma peça fundamental nesse quebra-cabeça. No cenário atual, entender como o airbag funciona e como é acionado é crucial para motoristas conscientes que buscam maximizar a segurança em suas jornadas. Mas você sabe como ele funciona, como é acionado e o que acontece depois?

Leia também:

O que é um airbag?

Antes de adentrarmos nos meandros do funcionamento do airbag, é essencial compreender o que ele é. Um airbag é um dispositivo de segurança passiva projetado para proteger os ocupantes de um veículo durante colisões. Sua função principal é reduzir o impacto dos ocupantes com componentes do veículo, minimizando assim os riscos de lesões graves.

Eles basicamente são acionados após o veículo se chocar com algo e são espécie de bolsões de ar que servem para amortecer o impacto das pessoas dentro do carro, como se fosse uma espécie de almofada.

publicidade

Funcionamento básico do airbag

O funcionamento do airbag é baseado em princípios físicos simples, mas a implementação desses conceitos é notavelmente complexa. Quando ocorre uma colisão, sensores estrategicamente posicionados no veículo detectam a desaceleração repentina resultante do impacto. Esses sensores enviam sinais eletrônicos para a unidade de controle do airbag.

A unidade de controle, por sua vez, avalia a severidade da colisão com base nos dados recebidos dos sensores. Se a colisão atender aos critérios de ativação do airbag, a unidade de controle aciona um gerador de gás.

E como eles ficam cheios?

Foto: Shutterstock

O coração do sistema de airbag é o gerador de gás, responsável por inflar rapidamente a bolsa de ar. O gás utilizado tradicionalmente é o azida de sódio, uma substância que se decompõe exotermicamente, liberando nitrogênio para inflar o airbag. No entanto, devido a preocupações ambientais, estão sendo exploradas alternativas mais ecológicas.

A inflação do airbag ocorre em uma fração de segundo após o acionamento. A bolsa de ar, feita de material resistente e revestida com uma camada protetora, infla-se com rapidez para criar uma barreira entre o ocupante e os componentes rígidos do veículo, como volante, painel e para-brisa.

Tipos de airbags e suas localizações no veículo

Existem vários tipos de airbags, cada um projetado para proteger os ocupantes em diferentes tipos de colisões. Alguns dos tipos mais comuns incluem:

  • Frontais: localizados no volante e no painel, protegem cabeça e tórax em colisões frontais.
  • Laterais: instalados nos bancos dianteiros e traseiros, oferecem proteção em colisões laterais.
  • Cortina: posicionados no teto do veículo, protegem a cabeça em colisões laterais e capotamentos.
  • Joelho: integrados ao painel, protegem as pernas do motorista.

A combinação desses diferentes tipos de airbags cria um sistema abrangente que visa maximizar a proteção em diversas situações.

Critérios de ativação do airbag

Os sensores que desencadeiam a ativação do airbag são ajustados com base em critérios rigorosos. A desaceleração resultante de uma freada brusca não é suficiente para acionar o airbag; é necessário que a desaceleração seja causada por uma colisão significativa. Isso evita ativações desnecessárias, como em situações de frenagem brusca para evitar obstáculos.

Além disso, o acionamento dos airbags leva em consideração a velocidade do veículo, o ângulo do impacto e a presença de ocupantes nos assentos. Essa abordagem personalizada garante uma resposta adequada e eficaz do sistema de airbag em uma variedade de cenários.

Com o avanço da tecnologia, os sistemas de airbag estão se beneficiando de sensores mais avançados e algoritmos inteligentes. Sensores de ultrassom, câmeras e radares estão sendo integrados para fornecer dados mais precisos sobre a situação da colisão. Algoritmos avançados podem processar essas informações em tempo real, ajustando os critérios de ativação e otimizando a resposta do airbag.

E o que acontece depois que o airbag é acionado?

Quando o airbag é acionado em resposta a uma colisão, uma série de eventos cruciais se desenrola para garantir a segurança contínua dos ocupantes do veículo. Após inflar em uma fração de segundo, a bolsa de ar absorve o impacto do corpo do ocupante, minimizando o risco de lesões ao entrar em contato com componentes rígidos do veículo.

Airbags
(Imagem: saravuth/ Shutterstock)

Após o impacto inicial, o gás utilizado para inflar o airbag é liberado de forma controlada, permitindo que a bolsa de ar se desinfle gradualmente. Isso evita qualquer impacto secundário que possa resultar de um desinflamento brusco.

Após um incidente, basicamente o airbag precisa ser trocado, bem como a peça na qual ele foi acionado (painel, bancos, etc.) e todo o sistema, como sensores e acionadores também devem ser trocados geralmente.

O airbag automotivo é uma peça vital no quebra-cabeça da segurança veicular. Seu funcionamento complexo, baseado em princípios físicos simples, exemplifica a sofisticação da engenharia automotiva. À medida que a tecnologia continua a evoluir, podemos esperar avanços significativos nos sistemas de airbag, aprimorando ainda mais a segurança dos ocupantes de veículos.